h1

Paulo Dubois

24 de janeiro de 2010

Conheci Paulo Dubois quando de minha primeira ida a Porto Príncipe, em 1998. Naquela altura, seu escritório ficava na livraria Pleiade de Bel Air, no centro da capital. Em 2004, e como conseqüência da violência que tomara conta da região, a Pleiade de Bel Air se transferiu para outro bairro central da cidade, um pouco mais longe dos tiroteios que enfrentavam os chimères àqueles que se opunham ao governo de Aristide.

Logo encontrei em Paulo um bom amigo, e sempre que ia a Porto Príncipe passava horas na livraria Pleiade, atualizando minha biblioteca haitiana, conversando sobre a atualidade do país e respondendo suas questões sobre o Brasil. Sim, Paulo sempre foi um entusiasta do Brasil e da música brasileira. Em 1998, Paulo tinha um programa de rádio, na rádio Haiti, dedicado à música brasileira. Neste programa, Paulo me entrevistou, com muitas perguntas sobre MPB, sobre o Brasil… E não era só eu que, do alto da minha ignorância, respondia suas insistentes perguntas sobre MPB (eu, que não entendo nada de MPB!), mas sobretudo Paulo que me introduzia nos mistérios de um dos patrimônios musicais mais sofisticado das Américas, a música haitiana.

Foi Paulo quem me apresentou Jean Dominique, seu grande amigo e mentor. Seu assassinato, em abril de 2000, foi um duro golpe para Paulo Dubois, que interrompeu seu programa de rádio para não voltar a retomá-lo. Quando estive em Porto Príncipe em maio de 2000, encontrei um Paulo triste e deprimido. Recuperar-se da perda do amigo demoraria anos, e até hoje a evocação a Jean Dominique é constante.

Nos anos seguintes, sempre que retornava a Porto Príncipe, a ida à Pleiade era uma das primeiras visitas obrigatórias. Sempre que chegava, era recebido com doçura por Paulo e Solange, como um velho amigo. Em mais de uma ocasião saímos para conversar, dançar e tomar um bom rum barbankourt – no Press Café, no Oloffson. Todos os amigos brasileiros que comigo chegaram a Porto Príncipe transformaram a Pleiade num ponto obrigatório. A nova Pleiade, ainda próxima ao centro, possuía também um pequeno café ao lado, transformado em ponto de encontro. E no segundo andar uma pequena papelaria e preciosas estantes de música haitiana. Havia acabado de realizar uma bela compra de cds de música haitiana minutos antes do primeiro grande terremoto. A Pleiade tinha acabado de fechar, Paulo, Solange e os funcionários haviam acabado de sair, quando o terremoto nos surpreendeu diante da livraria, parte da qual veio abaixo.

Dois dias após o terremoto, passei pelo que restara da Pleiade, e lá encontrei Paulo e Solange. Haviam conseguido reunir boa parte dos livros e cds, e levá-los para a Pleiade de Pétionville, pouco afetada pelo sismo. Estavam sentados ao lado das ruínas, e me abraçaram com carinho. Quando voltar, ali onde estiver, irei à nova Pleiade que, com toda a certeza, Paulo vai reerguer em Porto Príncipe.

Omar Ribeiro Thomaz

Anúncios

11 comentários

  1. Professor seu nome saiu errado, Thomay


  2. Caro Omar,
    sinto saudades!
    espero reve-lo em breve..
    deixo aqui todo o meu carinho e gratidão pela atenção que deu aos meninos!
    beijos carinhosos


  3. Em vez de um livro, quadrinhos seriam uma melhor forma de passar a mensagem para um público mais amplo.. pense nisso!


  4. E por aí vai…
    http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2010/01/100122_haiti_peixoto_fa_cq.shtml


  5. Puxa vida, isso sim é uma mensagem de esperança. Apesar dos escombros e destroços, a vida segue em frente!

    Dia 31 deste mês publicarei em meu blog um poema sobre o Haiti. Merece ser lido. É fabuloso. Aguardo a visita de todos vocês.


  6. Paulo e Solange estão vivos! Me deu um alívio chegar ao final da postagem. Vamos torcer para que consigam reconstruir suas vidas. A maior chance já tiveram que foi conseguir sobreviver ao terremoto.
    Você tem conseguido ter notícias de lá? Depois da volta de vocês tudo que leio sobre Porto Príncipe não soa bem sabe como é?
    Abraços


  7. Querido Omar, se assim posso dizer, já o digo com todo carinho, espero vc aqui em são jose do rio preto tendo todo o meu respeito e gratidão por tudo que fez aos meninos..venha ficar na casa do pai do Otávio….aqui é a “mulher” dele quem fala.
    Beijos.


  8. Os deseo lo mejor, y valoro d eforma increíble vuestro trabajo.

    Soy antropóloga, estoy en Barcelona, varios antropólogos estamos leyendo vuestro blog muy agradecidos por poner todo lo que allí se dice sobre haití y vuestro trabajo, os quería pedir permiso para ponerlo en una red de antropópologos de España. En una ya está.

    Creo que sería importante que vayáis traduciendo vuestro trabajo a varios idiomas.

    Un cordial saludo, y me alegro que estéis bien. Cecilia


    • hola cecilia!
      podeu ficar tot el contingut del nostre blog! ara mateix estem treballant en una pàgina on line una mica millor, per combatre tot el hom diu sobre haiti a la premsa. estem en contacte. forta abraçada i moltes mercès
      omar


  9. com outros leitores, que aqui se manifestaram, gostaria que toda estas informações e reflexões reunidas por vocês sobre o Haiti pudessem ser compartilhadas cada vez mais , tanto neste blog como em outras midias. Parece-me ser fundamental neste momento que o pensamento critico a respeito da atuação de nosso país no Haiti se fortaleça, pois é temerário o cenario de aumento de populismo em nossa política aliada a esse neo -colonialismo tupiniquim, seja lá como se possa nomear uma coisa dessas.


  10. http://www.gazetadopovo.com.br/terremotonohaiti/conteudo.phtml?tl=1&id=968959&tit=Um-relato-de-quem-viu-a-tragedia-de-perto

    Luis Nassif – Sobre economia, política e notícias do Brasil e do Mundo
    01/02/2010 – 07:00
    O relato da embaixatriz no Haiti
    Por lacn

    Nasif, sei que este não é o lugar certo, mas sugiro este artigo abaixo como um post para a segunda feira.

    Estas atitudes que diferenciam os brasileiros.
    Estas atitudes que nos dão orgulho de ser brasileiros.

    artigo publicado dia 31 de janeiro de 2010, no jornal A Gazeta do Povo de Curitiba, escrito por Audrey Possebom.
    Da Gazeta do Povo

    Um relato de quem viu a tragédia de perto

    Embaixatriz do Brasil no Haiti, a paranaense Roseana Kipman conta como encontrou o corpo de Zilda Arns e descreve um país digno, que luta para sobreviver.
    Entre os escombros deixados pelo terremoto que devastou o Haiti, uma paranaense de 60 anos e pouco mais de 1,5 metro de altura entrou para a história. Roseana Aben Athar Kipman, esposa do embaixador do Brasil no Haiti, Igor Kipman, encontrou e carregou no colo o corpo da médica Zilda Arns, fundadora da Pastoral da Criança, morta no tremor que arrasou o país, deixou 200 mil mortos e 1 milhão de desabrigados. Ela caminhou oito quilômetros, entre mortos, gritos de sobreviventes e prédios caídos, até chegar à igreja onde Zilda estava – uma mostra da coragem e disposição da embaixatriz brasileira.

    Em tese, o papel de esposa de embaixador se resumiria a acompanhar o marido em eventos diplomáticos e assumir uma ou outra tarefa social. Relatos feitos por Roseana e por quem a conhece mostram, porém, que ela assumiu um papel muito maior. Boletins do Ministério da Defesa relatam a participação dela em reuniões estratégicas, como a que definiu o plano emergencial de socorro ao Haiti, dois dias depois do terremoto. Na última quarta-feira, a embaixatriz – que é neta de judeu – foi citada pelo presidente Lula em cerimônia referente ao Dia Internacional de Lembrança das Vítimas do Holocausto, em Recife. “Ao aconchegar crianças feridas e, em muitos momentos, até mesmo expor sua vida para salvá-las, Roseana expressa o papel que a nossa presença no Haiti tem desde antes do terremoto: compaixão, solidariedade e convicção de que os haitianos podem um dia erguer uma nação que eles mesmos sustentarão”, disse Lula.

    Perfil

    Escoteira, aluna do Ginásio Tiradentes e fã de Star Wars

    O piercing dourado no nariz, os cabelos longos e bem cuidados, a pele morena e o sorriso largo de dentes impecáveis dão um ar jovial a Roseana Aben-Athar Kipman. Fotos de seus álbuns pessoais e as centenas de amigos que mantém em redes sociais na internet dão uma pista de sua personalidade irreverente.

    Falante e muito ativa, Roseana não é do tipo que se nega a trabalho pesado. Embora se apresente muito bem arrumada e perfumada, ela está sempre pronta para ajudar – provável herança de seu tempo de escoteira em Curitiba. Aliás, deve vir daí outra característica marcante da embaixatriz brasileira: ordem e disciplina.

    A disciplina, conta, foi desenvolvida com o tempo. Quando criança e adolescente, não era das mais obedientes. “Estudei em muitos colégios, fui expulsa de alguns e a minha escola de paixão foi o Ginásio Tiradentes, que funcionava em uma casa meio podre em frente do Homem Nu”, conta ela, referindo-se à Praça 19 de Dezembro, no centro da cidade. Estudou sempre em escolas públicas e se formou em História Natural pela Universidade Federal do Paraná (UFPR).

    Roseana é o tipo de mulher que sempre tem alguma história para contar. E foi assim desde seu primeiro dia de vida. “Nasci em Curitiba em uma fria manhã de 16 de fevereiro, dentro do táxi que levava a minha mãe para o hospital militar”, diz. “Meu adorado pai sempre dizia que o primeiro prejuízo que lhe dei foi estragar o paletó do terno em que ele me acolheu.”

    A excentricidade de Roseana não pára por aí. Ela é apontada por sites especializados como uma das maiores experts em Star Wars (Guerra nas Estrelas) do mundo. É a única pessoa no Brasil a ter todos os 180 livros do chamado universo expandido de Star Wars, histórias paralelas aos seis filmes da série de ficção científica, uma de suas paixões.

    O envolvimento de Roseana com o povo haitiano supera o formalismo do papel diplomático. Assim como o embaixador, ela se revela uma apaixonada pelo trabalho, sentimento reforçado pela ânsia de reconstrução após a tragédia de 12 de janeiro. O terremoto destruiu casas, mas não os planos desse casal paranaense, convicto da importância da participação brasileira na recuperação do país caribenho.

    Foi justamente o compromisso com os haitianos que fez com que Roseana estivesse em Porto Príncipe no dia 12. Na véspera, ela deixou o marido em Brasília, em férias, e embarcou para o Haiti para retomar suas aulas de português. Só entrou em sala de aula, porém, duas semanas depois. Naquele dia de reinício das aulas, a terra tremeu. “Foi uma coisa intensa e muito longa para os meus sentidos, mesmo que a ciência diga que foram poucos segundos”, relata a curitibana, formada em História Natural pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), mãe de três filhos e avó de três netos.

    Em entrevista exclusiva por e-mail à Gazeta do Povo, ela conta como foram os primeiros momentos da tragédia. Roseana fala sobre sua relação com o país onde mora desde 2008, quando Igor Kipman – com quem é casada há 35 anos – foi nomeado embaixador.

    Zilda Arns

    “Por um acaso estávamos no mesmo avião que nos trazia de Miami a Porto Príncipe, em 11 de janeiro. Eu a cumprimentei, me apresentei e me ofereci para fazê-la passar comigo pela parte VIP do confuso aeroporto local e para levá-la até o endereço da irmã Glória, uma colombiana, responsável pelo convite. Dona Zilda me deu um livro sobre a Pastoral com uma generosa dedicatória. Ficou combinado que na sexta-feira eu iria buscá-la para visitarmos a favela de Cité Soleil.”

    O tremor

    “O terremoto acorreu poucos minutos antes das 17 horas, quando estava no Centro de Estudos para dar a minha aula. Foi uma coisa intensa e muito longa para os meus sentidos, mesmo que a ciência diga que foram poucos segundos! Os dois muros que cercam o Centro caíram. Logo chegaram dois de meus alunos e os diplomatas e funcionários da Embaixada Brasileira, que fica perto… só então me dei conta da intensidade do fenômeno.”

    Casa

    “As ruas estavam bloqueadas de entulhos, pedras e árvores e eu voltei a pé para casa, protegida por quatro dos meus anjos da guarda (em referência aos fuzileiros que trabalham na segurança da embaixada). Minha sandália arrebentou nas primeiras quadras e fiz o percurso descalça. Ao chegar em casa descobri que estávamos sem luz ou água. Os geradores foram movimentados pela força do terremoto e arrebentaram suas ligações. Toda a louça havia caído no chão e quebrado, a maioria dos quadros estava no chão, todos os armários tiveram as portas e gavetas abertas e todas as pilhas de roupa foram para o chão. Minha biblioteca de ferro e com mais de 2.000 livros estava também no chão. E a coisa mais incrível é que as geladeiras andaram até o meio da cozinha, se desligando das tomadas.”

    Militares mortos

    “Deixei meu gato (que tem 18 anos) em lugar seguro e fui até o Batalhão, onde há 1.300 brasileiros. Precisava saber como estavam. À medida que descíamos o morro, percebemos o tamanho dos estragos e a quantidade de mortos, bem como de pessoas presas nos escombros e pedindo socorro. Ao chegar ao BraBatt (Batalhão Brasileiro) soube da morte de dez dos nossos militares e da grande tragédia que havia sido causada à Minustah (sigla em francês para Missão das Nações Unidas para Estabilização do Haiti). Veio uma freira chorando, me abraçou e comunicou a morte da dona Zilda.”

    A busca

    “Fomos ao local. No caminho, muitas pessoas na rua, muitos corpos já sendo queimados e grande quantidade de destroços. Subimos na escuridão cerca de oito quilômetros de uma montanha, marcamos o local com o GPS e ficamos de voltar de manhã para resgatar o corpo de dona Zilda, soterrado pelos três andares do prédio. No caminho resgatamos seis freiras, algumas feridas. No outro dia tive a sorte de encontrar o padre que conversava com dona Zilda e ele me disse exatamente onde estavam naquela hora… ele deu um passo para trás e ela deu um passo para o lado, na varanda do terceiro andar, a primeira a cair, foi atingida na cabeça por concreto e teve morte instantânea e indolor. Foi fácil achá-la. Com um pequeno instrumento pneumático e a força de alguns homens, a primeira laje foi levantada e jogada para frente. Em questão de minutos estava livre e a levamos para o BraBatt. Ela foi no meu colo, enrolada nos panos que cobriam os altares da igreja. Eu mesma os retirei. Assim saiu dona Zilda: enrolada em panos sagrados, com um rosto sereno e sem nenhuma machucadura no corpo, a não ser um pequeno filete de sangue, já coagulado, na cabeça.”

    Haitianos

    “O povo tem se comportado de forma exemplar e começa a se organizar. Desde o terceiro dia já se viam as mulheres na rua vendendo frutas e verduras. Panificadoras voltaram a funcionar e é pelos bairros que tenho comprado o delicioso pão que se come aqui em casa. No fim da semana passada, agências de bancos abriram e o dinheiro voltou a circular. Postos vendem gasolina e diesel sem restrição. Alguns produtos estão mais caros. O povo haitiano vai sair deste horror em que a natureza nos colocou.”

    Corpos queimados

    “Alguns jornalistas se espantaram com a quantidade de corpos queimados desde o primeiro dia. Noticiaram que era por revolta ou protesto. Nada mais equivocado! Pela cultura vodu (religião local), um corpo mutilado volta mutilado na próxima vida. Por isso os parentes queimam os corpos, dentro do maior respeito e amor, para que as pessoas possam nascer inteiras, pela limpeza do fogo, em uma próxima vida.”

    Novos tremores

    “Eu, medo? Não acredito que alguém morra antes de sua hora. Não tenho medo da morte que é apenas uma transição. Nunca tive medo de ficar na minha casa. Dormi aqui a primeira noite com o meu gato abraçado em mim. O gato, sim, ainda tem medo de me perder de vista! Nos intervalos das minhas obrigações fui arrumando a casa. Dos cinco empregados, quatro voltaram no terceiro dia. Igor e eu hospedamos três amigos brasileiros que perderam as suas casas. A vida pode e deve voltar ao normal.”

    Trabalho

    “Nesta segunda semana, depois de visitar os orfanatos e descobrir que ‘minhas’ mais de 300 crianças estão vivas, os meus mais de 80 velhos estão vivos, que todos os brasileiros – padres, freiras e pastores – estão vivos, meus projetos continuam de onde pararam. Minhas aulas de português recomeçaram na segunda-feira e vamos começar a levantar muros e casas dos orfanatos para esperar maio chegar com suas fortes chuvas e ter a certeza de que todos estarão abrigados. Nada foi interrompido. Tenho visitado todas as instituições de que cuido, localizadas em diferentes cidades que fazem parte da Grande Porto Príncipe. Sempre levando comida e água que a gentileza do povo brasileiro e a pronta reação do governo me permitiram doar.”

    Respeito

    “Em momento algum pensei em deixar o país. O Brasil está aqui há cinco anos e não será agora, quando o Haiti mais precisa de amigos, que vamos abandoná-lo. Todos os funcionários se voluntariaram para ficar. Este povo nos ama como irmãos e acredita que estamos aqui apenas para melhorar a sua vida. Quer prova maior? A praça em frente ao Centro Cultural Brasil-Haiti está lotada de desabrigados. E o Centro, agora à vista de todos, pois não temos mais muros, não sofreu nenhuma tentativa de invasão. Eu lhe digo: não foi invadido pelo respeito à bandeira que tremula em seu jardim.”



Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: